Igreja Cristã Gileade

Igreja Cristã Gileade
Rua Major José Araújo Aguiar, 290. Fortaleza - CE - Brazil CEP. 60850-470

domingo, 1 de julho de 2012

QUEM É JESUS? COMO SE CHEGAR A DEUS? COMO IR PARA O CÉU?


“Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim”. João 14.6

QUEM É JESUS?

Será que conhecemos Jesus? Essa passagem que lemos nos dar subsídio para resposta da primeira pergunta: QUEM É JESUS? Muitas pessoas afirmam conhecer Jesus, mas será que podemos provar isso? A palavra de Jesus ao apóstolo Tomé nos responde:

EU SOU O CAMINHO: Deus enviou Jesus ao mundo para que nós o seguíssemos. Quando Jesus nos diz “eu sou o caminho” ele se apresenta como o modelo de ser humano perfeito para que imitemos. O apóstolo Paulo quando falou sobre isso disse: “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo”. (1Co.11.1). Mais adiante ele escreveu: “Até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo”. (Ef.4.13). Numa linguagem mais popular, esse último texto diz: “Desse modo todos nós chegaremos a ser um na nossa fé e no nosso conhecimento do Filho de Deus. E assim seremos pessoas maduras e alcançaremos a altura espiritual de Cristo”. (NTLH).

EU SOU A VERDADE: Quando Jesus diz “eu sou a verdade” ele se apresenta como resposta divina: de que somos pecadores e que ele veio para nos trazer o perdão. O apóstolo João escreveu: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” (1Jo.1.9); de que somos ímpios e ele veio para nos santificar. Está escrito: “Nessa vontade é que temos sido santificados, mediante a oferta do corpo de Jesus Cristo, uma vez por todas... Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados”. (Hb.10.10,14). De que somos rebeldes condenados ao inferno e ele veio para nos resgatar e trazer a mensagem de arrependimento. O apóstolo Paulo disse: “o qual a si mesmo se deu em resgate por todos: testemunho que se deve prestar em tempos oportunos”. (1Tm.2.6). Lucas relatou que Jesus disse: “Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento”. (Lc.5.32). Será que havia algum justo para Jesus ter dito isso? Ou será que ele estava ironizando a religiosidade legalista de salvação por obras? A verdade sobre isso vem depois da cruz. Quando Cristo cumpre a Escritura em ser ele próprio oferta pelo pecado para o perdão da humanidade. O Espírito Santo, aquele que ele disse que traria novas instruções para seus seguidores primordiais: “Tenho ainda muito que vos dizer, mas vós não o podeis suportar agora; quando vier, porém, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir (Jo.16.12,13). Assim, o apóstolo Paulo escreveu: “Que se conclui? Temos nós qualquer vantagem? Não, de forma nenhuma; pois já temos demonstrado que todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer”. (Rm.3.9,10). Tiago disse: “Pois qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos”. (Tg.2.10). O próprio Jesus deixou escapar essa pérola do evangelho: “Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem?”(Mt.711). Observe que ele diz com todas as letras: “sois maus”. Onde a única pessoa que se isenta de ser mau eu seu discurso é ele próprio.
Em fim, como injustos, ímpios, rebeldes e pecadores, não importando o tanto que sejamos. Pois todos nós somos: “... porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus”. (Rm.3.22b,23). Todos são considerados infratores de lei divina e por isso, réus do fogo do inferno. Todavia, ele veio para advogar por nós: “... temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro”. (1Jo.2.1b,2).

EU SOU A VIDA: Jesus responde que ele é a vida, a existência da terra e do universo. Jesus é a resposta de Deus de que o mundo foi criado por ele, bem como o universo, todas as coisas. Ele é a resposta dos enigmas da vida, de tudo que existe. Ele é o verbo, a Palavra de Deus na criação de tudo. Dele escreveu o apóstolo Paulo: “pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste”. (Cl.1.16,17). O apóstolo João disse sobre Jesus: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez”. (Jo.1.1-3). Quando Jesus disse: “Eu sou a vida”, ele não estava se referindo figuradamente. Mas, literalmente.

COMO CHEGAR A DEUS?

O CAMINHO É CRISTO: Ninguém pode se dirigir a Deus sem passar por Jesus Cristo. Muitos caminhos podem chegar a Jesus, mas só ele pode nos levar a Deus. O apóstolo Paulo sabia disso e reiterou: “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”. (1Tm.2.5).

A VERDADE É JESUS: Deus fez uma Nova Aliança com o homem. E a grande verdade é que Jesus se tornou o MEDIADOR dessa nova aliança. O único! Como vimos na passagem bíblica acima. Dele se diz a Escritura: “Por isso mesmo, ele é o Mediador da nova aliança, a fim de que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia sob a primeira aliança, recebam a promessa da eterna herança aqueles que têm sido chamados.” (Hb.9.15). Na Velha Aliança havia vários mediadores. Todavia, na Nova Aliança, só há um: Jesus Cristo. Entre Deus no céu e o homem na terra, só há Jesus. E, mais, não precisamos de mais ninguém entre Cristo e nós. Ele próprio se permite que cheguemos a ele: “Ninguém vem ao Pai se não por mim”. (Jo.14.6b). Mais adiante ele nos desafia a clamar: “Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei”. (idem v.14).

JESUS DEU SUA VIDA PARA ISSO: Ele deu a sua vida por nós para que pudéssemos nos chegar a Deus. Sem barreiras, sem empecilhos. Por causa dele, da doação de sua vida, chegamos a Deus e temos a harmonia com ele. O apóstolo João escreveu: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (Jo.3.16). A Escritura nos diz: “Tendo, pois, irmãos, intrepidez para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela sua carne”. (Hb.10.19,20).

COMO IR PARA O CÉU?

PELO CAMINHO: Jesus é aquele que Deus enviou para que encontrássemos de volta o endereço do céu. Moisés escreveu que: “O SENHOR Deus, por isso, o lançou fora do jardim do Éden...”. Mais adiante ele reitera: “E, expulso o homem, colocou querubins ao oriente do jardim do Éden e o refulgir de uma espada que se revolvia, para guardar o caminho da árvore da vida”. (Gn.3.23a, 24). O caminho do céu, do Paraíso, da comunhão plena com Deus perdeu-se. Em Romanos 3.23 nos diz que a humanidade está “destituída” ou “carecem” da glória de Deus. A palavra grega no texto original é “hustereo”. Que pode significar: “atrás”. No sentido figurado, quer dizer “falhar em tornar-se um participante”. Pode significar também “sofrer necessidade” e “estar destituído de”. Em fim, Deus nos enviou Jesus para nos levar de volta ao céu. Para a sua presença, para sua glória! Quando Jesus diz “eu sou o caminho”, ele está dizendo em outras palavras: “venha comigo”, que eu lhe mostrarei o céu. Por isso que ele é o SALVADOR. Ninguém chega ao céu sem passar por Jesus Cristo. O apóstolo Pedro disse: “E não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”. (At.4.12).

PELO CONHECIMENTO DA VERDADE: Todos nós somos pecadores. E nessa condição nos tornamos réus do inferno. O inferno é como o lixo. Jesus o comparou a isso quando disso: “E, se tua mão te faz tropeçar, corta-a; pois é melhor entrares maneta na vida do que, tendo as duas mãos, ires para o inferno, para o fogo inextinguível”. (Mc.9.43). Onde a palavra grega empregada no texto original é “Geena”. Esse lugar designava dentro do contexto cultural ao “vale de Hinom” ao sul de Jerusalém. Onde o lixo e os animais mortos eram jogados e queimados. E falando de lixo, quando algo não tem conserto vai para o lixo. Todavia, se tem, pode ser reaproveitado. Na comparação de Jesus, ele nos ensina que precisamos ter que renunciar se queremos o céu. Ele nos desafia: “Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me”. (Lc.9.23). Essa é a grande verdade. A renúncia envolve três atos: fé, arrependimento e vontade. Quanto a fé o apóstolo Paulo nos disse: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus”. (Ef.2.8). Do arrependimento o profeta João Batista nos admoesta: “Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”. (Mt.3.2). Da vontade o próprio Cristo condiciona: “Se alguém quer vir após mim” (Lc.9.23). Sem fé, sem arrependimento e sem querer, não entrará ninguém no céu. Eu tenho que confiar em Cristo, largar uma vida de prática do pecado e querer seguir a Jesus. Sem essas três atitudes, não irei pro céu.

PELA VIDA: Sem vida com Deus não tem como alguém ir para o céu. Quando Jesus diz “eu sou a vida” ele enfatiza isso também. Ele próprio disse: “... eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”. (Jo.10.10). Essa vida abundante que Cristo se refere é o reino dos céus dentro do ser humano, preparando-o para o céu e confortando-o até que chegue lá. O apóstolo João nos admoesta: “Todo aquele que permanece nele não vive pecando; todo aquele que vive pecando não o viu, nem o conheceu”. (1Jo.3.6). Vida com Deus envolve santidade. Como pode alguém afirmar ser cristão ou ser de Cristo e viver na prática do pecado? A Escritura nos diz: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”. (Hb.12.14). O apóstolo Pedro reafirma: “Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo”. (1Pe.1.14-16). Sem Jesus não há vida, não há esperança, ele retratou essa questão em João 15.4-6 veja:
“permanecei em mim, e eu permanecerei em vós (1). Como não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não permanecer na videira, assim, nem vós o podeis dar, se não permanecerdes em mim. Eu sou a videira, vós, os ramos. Quem permanece em mim, e eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer (2). Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam (3)”.

Encontramos três significados espirituais nessa metáfora de Cristo:

(1) – Temos que permanecer nele;
(2) – Não há vida real, verdadeira se não estivermos em Cristo;
(3) – Desligado de Cristo pereceremos no inferno.