sábado, 4 de outubro de 2008

Produzindo Frutos Dignos de Arrependimento



















“Vendo ele, porém, que muitos fariseus e saduceus vinham ao batismo, disse-lhes: Raça de víboras, quem vos induziu a fugir da ira vindoura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; e não comeceis a dizer entre vós mesmos: Temos por pai a Abraão; porque eu vos afirmo que destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão. Já está posto o machado à raiz das árvores; toda árvore, pois, que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. Eu vos batizo com água, para arrependimento; mas aquele que vem depois de mim é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. A sua pá, ele a tem na mão e limpará completamente a sua eira; recolherá o seu trigo no celeiro, mas queimará a palha em fogo inextinguível”. (Mateus 3.7-12).

A terminologia da palavra “fruto”, dentro do contexto da passagem que lemos, nos dar o significado de: “Resultado, conseqüência”. João Batista dirigiu-se especificamente aos fariseus. Pois “aparentemente” falavam de Deus, confessavam a Deus, mas não se via frutos que realmente comprovassem que eles eram amigos de Deus. Por isso João Batista os acusava de não produzirem frutos dignos de que verdadeiramente andavam com Deus.

Em nossos dias está acontecendo algo semelhante. As pessoas falam que são de Deus, que já aceitaram Jesus. Entretanto, pouco se vê os frutos de tudo isso. Francamente não me admiraria se João Batista estivesse vivo hoje e nos chamasse de “raça de víboras”. E uma pergunta que ele fez não me deixa calar aqui: “Quem vos ensinou a fugir da ira futura?”. João Batista se referia a presunção dos fariseus e dos saduceus de que por serem filhos de Abraão estariam salvos ou livres do juízo de Deus. Não podemos presumir que uma simples confissão de aceitar a Jesus Cristo vai nos garantir alguma salvação. Temos que produzir frutos dignos de arrependimento. Podemos ver que a teologia de João Batista tinha um foco bem radical: “não há salvação sem evidências”.

Esses frutos ou evidências de que alguém está em Cristo precisam ser identificados. Por isso eu levanto aqui alguns que percebo:

1) Decidir seguir a Cristo
“Então, aproximando-se dele um escriba, disse-lhe: Mestre, seguir-te-ei para onde quer que fores”. (Mt.8.19).

Este homem não estava em cima do muro. Ele realmente estava disposto a seguir a Cristo. Esse é um fruto digno de arrependimento. Onde a pessoa parte para decisão. Na vida sentimental, não basta apenas desejar se casar com a pessoa amada é preciso que se tome uma decisão sobre isso. Assim, você precisa tomar uma decisão. Não basta apenas dizer que é de Jesus se você não se compromete com Ele, não faz aliança com Ele e nem segue seus passos.

2) Desejar conhecer a Deus na sua Palavra
“Desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação”. (1Pe.2.2).

As pessoas que passam a produzir frutos dignos de arrependimento começar a ter um forte desejo de conhecer a Deus através da sua Palavra – a Bíblia Sagrada. Quando uma criança nasce, ela se familiariza rapidamente com o leite e com o peito da mãe. Se você nasceu de novo, se você realmente se converteu, surge no teu coração o desejo de conhecer a Deus. E a Bíblia Sagrada é a fonte de revelação e do conhecimento de Deus (Jo.5.39; 2Pe.1.20,21; 2Tm.3.16).

3) Seguir a paz e a santificação
“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”. (Hb.12.14).

Observe só isso. Seguir a paz e a santificação é um caminho de todo aquele que deseja ver Jesus Cristo. Esse também é um fruto digno de arrependimento. Quando Zaqueu teve um encontro com Jesus a primeira coisa que ele fez foi restituir o dinheiro que ele havia roubado (Lc.19.8-10). Isso é seguir a paz com todos e a santificação. E você, o que tens feito na vida? Você segue a paz com todos? Você segue o caminho de santidade? Se não, então porque afirma que tem Jesus? Que já aceitou Jesus? Procure hoje mesmo mudar isso em sua vida entregando-te verdadeiramente a Jesus.

4) Tomar uma decisão de se batizar
“Seguindo eles caminho fora, chegando a certo lugar onde havia água, disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que seja eu batizado?”. (At.8.36).

Veja que esse homem não inventou desculpas, ele não deixou para amanhã ou depois. Ele tomou a decisão de se batizar. Quantas pessoas em nosso meio vão ficando e ficando e não decidem se batizar? Talvez você seja essa pessoa. Que já ouviu a Palavra de Deus, sabe o que tem que fazer, mas não faz. Chegou a hora de você produzir fruto digno de arrependimento. Batize-se! De acordo com a palavra do apóstolo Pedro (At.2.38) e João Batista (Mt.3.11), o batismo é para pessoas que estão arrependidas de viver pecando. Se você quando lhe batizaram não tinha arrependimento no coração, então precisa se batizar de verdade!

5) Prazer de ir ao culto e de levar outras pessoas
“Vinde, adoremos e prostremo-nos; ajoelhemos diante do SENHOR, que nos criou”. (Sl.95.6).

Outra produção de fruto digno de arrependimento é esse. Pessoas que não têm o prazer de ir ao culto adorar a Deus, não se arrependeram de verdade. O arrependimento sincero nos traz alegria em ir para igreja (Sl.122.1). E ainda nos impulsiona a levar outros para adorar a Deus também. E você? Tens prazer de ir ao culto? Você se ajoelha e se prostra diante de Deus? Você é capaz de aceitar um convite de ir ao culto adorar a Deus?

6) Servir a Cristo
“... Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR”. (Js.24.15).

É outro sentimento que bate no coração daquele que realmente está produzindo frutos dignos de arrependimento. Ninguém que se diz cristão pode ficar de braços cruzados. Porque o próprio Senhor morreu de braços abertos. Servir a Cristo significa contribuir com aquilo que Ele começou. Pregando o seu evangelho, orando pelos doentes, restaurando pessoas espiritualmente destruídas pelo pecado, libertando-as dos espíritos malignos, visitando os necessitados, dando pão aos famintos e discipulando os novos conversos. Como você diz que é de Cristo e não serve a ele? Seja hoje mesmo um servo ou uma serva de Deus. Inicie um novo momento em sua vida.

7) Obedecer imparcialmente a Palavra de Deus
“Respondeu-lhe Simão: Mestre, havendo trabalhado toda a noite, nada apanhamos, mas sob a tua palavra lançarei as redes”. (Lc.5.5).

Simão Pedro tinha experiência de pescar, pois era pescador. Enquanto que Jesus era carpinteiro. Contudo, Pedro confiou na Palavra de Cristo de maneira plena. E quando lançou as redes no local onde Jesus o havia mandado ele pescou muitos e grandes peixes. Quando uma pessoa tem fruto digno de arrependimento em sua vida, não há espaço para parcialidades. A pessoa obedece a Cristo de modo imparcial, isto é, sem parcialidades. Busque a Cristo em sua vida. Seja obediente a sua palavra sem estabelecer limites. Aceite tudo o que a Palavra de Deus te manda cumprir. Pessoas que estabelecem limites para Deus não são pessoas convertidas. Boa parte de nossa sociedade não é convertida. Pois só observam na Bíblia aquilo que lhes é conveniente.

8) Anseio pela vinda de Jesus Cristo
“Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”. (2Tm.4.8).

Quando alguém se converte, torna-se logo uma pessoa que anseia ver Jesus retornar, conforme Ele prometeu (Jo.14.3). Esse também é um fruto digno de arrependimento – Ver Jesus face a face! Você tem este anseio em tua alma? Se não tem é porque você ainda não se converteu. Tu precisa aceitar Jesus como teu salvador. E quando fizeres isso sinceramente, terás o anseio por sua vinda.

9) Desapego pelas coisas materiais
“Então, Pedro começou a dizer-lhe: Eis que nós tudo deixamos e te seguimos”. (Mc.10.28).

Essas palavras de Pedro são comuns na boca de outras pessoas também. Quando elas se convertem os bens materiais não ocupam os primeiros lugares. Não tem mais prioridade em suas vidas. E você? O que ocupa o primeiro lugar em tua vida? Seja franco e decida verdadeiramente pertencer a Cristo.

10) Desejo de falar com Deus
“Ó Deus, tu és o meu Deus forte; eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água”. (Sl.63.1).

Falar com Deus é orar, levantar a voz em direção do céu na certeza de que Deus está ouvindo. Alguém que se converteu produz um fruto de oração. Uma vontade de está diante de Deus em oração. Buscando a sua face e sentir a sua presença. Amigo, se você não tem desejo de falar com Deus, como você afirma que tem ele em teu coração? Está na hora de você seguir Jesus pra valer! Lembre-se das palavras de João Batista: “Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento”.